Universidades apostam em parcerias para avançar no ensino a distância

Por 10 de março de 2019Brasil, Educação

O ensino superior privado experimenta uma nova onda de expansão, impulsionado pelo ensino a distância (EAD). Em 2017, dado mais recente disponível, os ingressos em cursos de graduação nessa modalidade aumentaram 27,3% na comparação com o ano anterior. Nos cursos presenciais a alta foi de apenas 0,5%. Nesse ritmo, os alunos matriculados no EAD já serão a maioria dos universitários no país já em 2023, projeta Associação Brasileira de Mantenedores do Ensino Superior (Abmes). Em 2017, eles eram um terço do total.

Esse movimento está mudando os planos de expansão das principais empresas do setor, que viveu forte consolidação nos últimos anos com fusões e aquisições. Agora, predomina a formação de parcerias na expansão do EAD. Como custa menos — para o mantenedor e para o aluno —, o ensino a distância facilita o alcance de cidades menores pelas instituições com a formação de redes de pequenas faculdades, que têm estruturas financeira e administrativa mais frágeis. Dois terços das faculdades no país têm até mil alunos, segundo a consultoria Hoper Educação.

— No EAD, 90% dos alunos estão concentrados nas 20 maiores instituições do setor, que seguem muito ativas. Agora, vão começar a surgir iniciativas do outro lado, o das menores — diz Paulo Presse, especialista da Hoper. — O mercado é de grande competitividade. Quem não se adaptar e trabalhar bem nessa evolução digital, não vai sobreviver.

— Não houve apenas mais ingresso. Alunos que estudavam no presencial migraram para o EAD para conseguirem pagar a mensalidade e seguir os estudos. Ou seja, ajuda a ampliar a captação de novos estudantes e também contém a evasão, alavancando a operação com um custo menor.

Para o especialista, a consolidação no setor vai continuar porque esse mercado ainda é muito pulverizado. O que muda, diz, é a avaliação dos negócios, antes focada no número de alunos, no conceito junto ao MEC e na localização:

— O segmento de educação vai olhar cada vez mais para novas tecnologias.

Responder